Estelinha

Era novembro de 1993. Minha cunhada Magali viria pra França pra levar meus filhos de volta ao Brasil, para que ingressassem na escola, para não perderem o semestre. Na França, as aulas se iniciam em setembro.
Achamos melhor que minha cunhada viesse por Bruxelas, que fica a uns 300 km de Nancy, onde residíamos.
Na véspera da chegada do voo da VASP (!), nos dirigimos de tardezinha para uma pequena cidade próxima da capital belga, chamada de Louvain.
Escolhemos um pequeno e acolhedor hotel na cidadezinha e após um breve período de descanso, resolvemos sair para buscar um restaurante nas redondezas. Havia vários deles, um mais simpático do que o outro.
Escolhemos um dentre tantos. Chamamos o garçom. Aí quis dar uma de entendido e disse:
– Por favor. Gostaríamos de tomar uma cervejinha tradicional da região.
O garçom franziu as sobrancelhas e visivelmente contrariado, e sem virar o corpo, indicou com o polegar voltado para trás, apontando para um muro.
No muro estava escrito…Stella Artois…produzida desde 1333!
Estávamos ao lado da fábrica da “Estelinha”!
Turista (metido) sofre!